SJMR Porto Alegre Fé e Alegria articulam ações de fortalecimento da rede

Home / Brasil / SJMR Porto Alegre Fé e Alegria articulam ações de fortalecimento da rede

Na última quinta-feira (25), o SJMR Porto Alegre e a Fundação Fé Alegria, obras jesuítas comprometidas com iniciativas sociais e o acompanhamento da migração forçada, se reuniram virtualmente para articular ações e estratégias de integração comunitária e econômica para migrantes e refugiados no sul do país. Os colaboradores do SJMR POA que estiveram presentes na reunião, foram: Lucas do Nascimento (coordenador), Juliana Camelo, Joana Lopes e Carla Pereira Duarte (analistas sociais). Já pela Fundação Fé e Alegria, participaram: Angela Beatriz Marques Bernardes (coordenadora da equipe de Abordagem Social ARUNA), Susana da Silva Santos Mendes (educadora social) e Gabriela Probst (coordenadora da Equipe de Abordagem Social ARA).


Durante o encontro, foi apresentado o funcionamento da Ação Rua Fé e Alegria, território que o projeto atende. Dentre os principais desafios observados no atendimento à população migrante que está em situação de rua encontra-se a situação de mendicância, muitas vezes com crianças e adolescentes nas ruas em risco. Além disso, também foram discutidas as formas de abordagem aos migrantes e refugiados na região, bem como as características das pessoas que estão de passagem para outros municípios.

Em seguida, o coordenador do SJMR POA, Lucas do Nascimento, falou sobre o Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados, as atividades realizadas na capital gaúcha, os atendimentos de integração socioeconômica, proteção, assessoria jurídica e integração local. Também foi abordada uma proposta de fortalecimento da rede local de atenção ao migrante, além de responderem questões sobre o acompanhamento das famílias migrantes, em especial os indígenas venezuelanos Warao.

No fim da reunião foram determinados alguns encaminhamentos, dentre eles a construção de um Plano de Trabalho entre as instituições, o planejamento de uma visita conjunta em abordagem com os indígenas, a elaboração de um GT de trabalho Warao Farrapos e uma roda de conversa ou formação sobre os migrantes e refugiados.

Deixe um Comentário