SJMR Boa Vista participa de Podcast em alusão ao mês do orgulho LGBTQIA+

Home / Boa Vista / SJMR Boa Vista participa de Podcast em alusão ao mês do orgulho LGBTQIA+

A convite do Podcast Boa Bixa, iniciativa criada por LGBTQIA+ roraimenses, a oficial de proteção Clara Cunha, do SJMR Boa Vista, participou de um bate-papo informativo sobre o “Projeto Transformando Vidas”, realizado com apoio do ACNUR. A iniciativa desenvolvida pelos idealizadores do podcast, Juhly e Tallon, busca dar mais visibilidade à comunidade LGBTQIA+, além de discutir temas de interesse, como os direitos das pessoas migrantes.

Clara abordou assuntos relacionados a interseccionalidade, que é sobreposição ou intersecção de identidade sociais e sistemas relacionados de opressão, dominação ou discriminação, principalmente relacionados a gênero, raça ou classes social. Foi ressaltada na entrevista a influência do projeto no acesso a informações que impactam positivamente a vida de pessoas trans. 

A oficial de proteção do SJMR Boa Vista também ressaltou que foi uma excelente oportunidade de parceria com o Podcast Boa Bixa, sobretudo no mês de junho, que marca a visibilidade LGBTQIA+ e também reflete sobre dia do refugiado. “É oportuno e necessário que todos os trabalhadores humanitários estejam cientes dos direitos da população LGBTQIA+ e também para que a própria comunidade conheça seus direitos, já que muitas pessoas fazem parte de ambas comunidades. Os movimentos de mulheres negras nos alertam para essa interseccionalidade, que é justamente essa sobreposição de marcadores sociais. Logo, a comunidade
LGBTQIA+ só poderá avançar se os direitos da população migrante também avançarem, pois muitas pessoas LGBTQIA+ também são migrantes. Só assim podemos avançar sem deixar ninguém pra trás”, enfatizou Clara.

O Podcast também contou com a participação de Desirée, mulher trans migrante, atendida pelo Projeto em sua primeira edição. A participante comentou sua inserção no Projeto, contextualizando sua história e sendo um exemplo da interseccionalidade discutida, por ser uma mulher trans e migrante. A entrevistada comentou que “essas oportunidades de sensibilização são muito importantes. Já participei de momentos assim junto aos postos de saúde e a gente percebe como o atendimento mudou, é muito melhor. Respeitam a gente, nos tratam bem no atendimento”.

Escute o Podcast clicando aqui.

Deixe um Comentário