Projeto “Por Um Mundo Melhor” doa 80 livros literários para o SJMR BH

Home / Belo Horizonte / Projeto “Por Um Mundo Melhor” doa 80 livros literários para o SJMR BH

É muito importante e significativo compartilhar o poder transformador da leitura com comunidades mais vulneráveis. Dessa forma, é possível apresentar a literatura de uma maneira mais simples e atrativa do que aquela apresentada em sala de aula, contribuindo também para criar raízes para o hábito literário em crianças, adolescentes e até idosos. Esse é o objetivo do projeto “Por um Mundo Melhor”, a partir do qual foram doados cerca de 80 livros para o SJMR Belo Horizonte. A doação conta com livros de classificação infantil e infanto juvenil, contando com material ilustrado e interativo, histórias em quadrinhos, romances e vários outros gêneros que serão repassados para as famílias migrantes e refugiadas com crianças e adolescentes.

A parceria entre o SJMR Belo Horizonte e o projeto “Por Um Mundo Melhor” se deu pela necessidade de democratizar o acesso a livros e buscar incentivar mais crianças leitoras nas famílias migrantes e refugiadas que se encontram no Brasil. “Crescendo em um ambiente cercado de incentivos à cultura e a literatura, os livros fizeram parte de minha infância e juventude. Pude perceber que essa experiência foi um enorme privilégio e que a literatura também deveria ser um direito humano”, declara Luiza Louback, idealizadora do projeto.

O projeto surgiu em fevereiro de 2019, após a percepção da enorme desmotivação dos jovens em relação à leitura. A partir de então, o projeto busca criar uma ponte entre a literatura e as comunidades de baixa renda, por meio da doação de livros e o incentivo à leitura através de ações especiais. “Os livros mudaram a minha vida, colaborando com meu senso de empatia e me tirando da zona de conforto. Pude conhecer outras realidades, melhorar meu senso crítico. Como Paulo Freire disse, ‘é necessário também ler o mundo’, e a literatura nos ajuda a entender melhor o mundo ao nosso redor e sermos melhores cidadãos”, finaliza Luíza.

Deixe um Comentário