Procura por modalidade “Jovem Aprendiz” no SJMR BH cresce no mês de maio

Home / Belo Horizonte / Procura por modalidade “Jovem Aprendiz” no SJMR BH cresce no mês de maio

Com o incentivo da equipe Meios de Vida do SJMR Belo Horizonte, cerca de 15 menores migrantes foram encaminhados para entrevistas na modalidade “Jovem Aprendiz” durante o mês de maio. Além disso, a equipe também recebeu 20 solicitações de informações sobre o programa, demonstrando um aumento na procura entre os migrantes e refugiados menores de 18 anos.

Pela legislação, as empresas devem reservar cotas em seus quadros de funcionários para os menores de 18 anos. Segundo a referente da área Meios de Vida do SJMR BH, Nathália de Oliveira, esse direito dos jovens brasileiros também pode ser usufruído pelos migrantes. Conforme a Constituição Federal, não há distinção dos direitos de cidadãos natos e estrangeiros.

Ainda de acordo com Nathália, nos últimos tempos o SJMR BH verificou uma alta demanda de informações por parte das famílias migrantes a respeito de trabalhos para seus filhos, como forma de complementar a renda da casa. “O Jovem Aprendiz é uma forma do jovem ter o primeiro contato com o mercado de trabalho, por meio de um processo de aprendizagem remunerado”, comenta.

Atendimentos

Fora os atendimentos referentes ao Programa Jovem Aprendiz, a equipe Meios de Vida prestou apoio em outras 79 solicitações. Oito novos cadastros no Dynamics; 21 confecções/atualizações de currículo; quatro CTPS Digitais emitidas ou recuperadas; 14 solicitações de informações gerais sobre trabalho atendidas; uma solicitação de informação sobre Empreendedorismo; 15 solicitações de informações sobre outras áreas de atendimento do SJMR-BH; 22 currículos triados, 26 encaminhamentos para entrevista (jovens aprendizes não precisam de triagem de currículo para encaminhamento); 07 contratações e um acompanhamento pós-contratação.

Das contratações realizadas com o intermédio do SJMR-BH pode-se citar o casal Danelis Maritza e Ramon Antonio, que se mudou para a cidade de Santa Bárbara, onde foram contratados por Heloísa Vasconcelos, dona da Pousada Capão da Coruja – local onde os dois migrantes irão trabalhar como Auxiliar de Serviços Gerais. Confira a história deles clicando aqui.

Os atendimentos foram divididos entre as seguintes nacionalidades: 68 da Venezuela, 20 do Haiti, 2 da Colômbia, Gana e República Democrática do Congo, e 1 do Benin, Bolívia, Camarão, Chile e Peru.

Deixe um Comentário