Curso de capacitação em moda reúne migrantes para formatura no Museu de Artes e Ofícios

Home / Belo Horizonte / Curso de capacitação em moda reúne migrantes para formatura no Museu de Artes e Ofícios

No dia 22 de novembro, o Museu de Arte e Ofícios abriu suas portas para a solenidade de formatura dos alunos do Projeto de capacitação na área de moda “Empoderando Refugiadas”,  de iniciativa do Instituto Lojas Renner, Instituto Aliança da Bahia, em parceria com a Foxtime e o SJMR-BH.

Durante os meses de outubro e novembro, 26 migrantes e refugiados compareceram ao escritório do SJMR, no período da manhã, aprendendo diversos conteúdos relacionados à área de moda e ao mercado de trabalho, com certificação pela Universidade Estadual do Ceará. A iniciativa, muito mais do que a simples formação técnica, ofereceu uma chance de superação de adversidades, maior integração social e melhores condições econômicas.

Relatos de esperança

É o caso do aluno haitiano, Ginald Polyssaint (22), que, com a ajuda do curso, conseguiu superar a timidez para falar em público e foi, inclusive, um dos mestres de cerimônia de formatura.

“Gostei muito do curso, pois tenho bastante interesse pela área. Para mim, foi uma oportunidade para melhorar a minha vida. Com os professores, aprendi não só sobre moda, mas também, como trabalhar em equipe, falar corretamente e até mesmo viver em sociedade. Na prática, também aprendemos a trabalhar com vendas. Espero que a oportunidade me ajude a conseguir um emprego”, confessa.

Andrise Montina e Ginald Polysaint, alunos do curso, coordenam a solenidade de formatura

Na opinião de Benediction Kipuni, da República Democrática do Congo, o curso, além de oportunidade, a ajudou a se abrir emocionalmente “Aprendi que posso compartilhar minhas experiências e, assim, encontrar pessoas com vivências semelhantes as minhas. O curso também me ajudou a ter mais empatia nas entrevistas, a conhecer minhas qualidades, a trabalhar em equipe e a ter melhor engajamento com os outros. Hoje eu tenho um projeto de vida e, agora, sei qual é o meu sonho”, destaca.

Alunos migrantes, durante o curso de capacitação em moda

Para a haitiana Andrise Montina (31), que também atuou como mestre de cerimônias da solenidade, participar do curso foi extremamente válido. “Vim ao SJMR para receber atendimento e me sugeriram participar. Gostei muito, pois me ajudou a sentir mais confiante e segura, inclusive para falar em público, melhorou a minha convivência e me trouxe novas amizades. Acredito que vai me ajudar a conseguir um emprego melhor”, diz.

Professores e colaboradores do projeto não esconderam a emoção, durante a formatura

O professor Renê Dinelli, que também é coordenador do projeto, não esconde a emoção e o orgulho ao entregar os certificados de conclusão de aos alunos do curso. “Foi um desafio, tanto no sentido de mobilização e percepção do grupo, quanto no aspecto do idioma, mas todos os que se inscreveram, para nossa surpresa, se engajaram e demonstraram muito interesse que foi além da simples proposta de conhecer a moda mais profundamente, eles se reconheceram como pessoas, nesse novo país. Independentemente do país em que eles estejam, a “casa interna” precisa ser arrumada. Por este motivo, trabalhamos tanto as questões socio-emocionais, para que eles entendessem a questão da resiliência e começassem a se reconhecer nas habilidades que eles tinha além da moda, se fortalecendo, se empoderando e se colocando, de fato, disponíveis para novas oportunidades”, explica.

Para Ilma Oliveira, diretora tecnica do Instituto Aliança, a cerimônia foi marcada por pura felicidade.  Durante um emocionante momento de fala, Ilma ressaltou o testemunho do processo de transformação dos alunos e as razões para celebrarem, juntos, toda essa trajetória. “Percebemos que vocês estão se abrindo para o mundo e peço que não tenham medo desse processo. Vocês têm muito para ensinar a todos nós. Experiências de vida fortes, intensas, impactantes e emocionantes. Para nós, foi uma experiência de humanidade”, confessou.

A esperança de um futuro melhor marcou o depoimento de Arno Duarte, coordenador social do Instituto Lojas Renner. “Demos o nosso 100% e oferecemos o nosso melhor a cada um de vocês. Espero que tenhamos viabilizado mais possibilidades de inclusão no mercado de trabalho e peço que sigam atentos, acreditando. Sejam protagonistas, tenham atitude para ir à luta e contem conosco nessa inserção” acrescentou.

O projeto

O projeto “Empoderando Refugiadas”, que começou em 2016, capacita migrantes e refugiados, por meio de parcerias com centros de formação que desenvolvem cursos na área de costura e de atendimento e venda para varejo em Belo Horizonte. Atendendo mulheres em situação de refúgio, o objetivo é prepará-las para entrarem no mercado de trabalho brasileiro.

O foco do “Empoderando Refugiadas” é oferecer qualificação profissional e contribuir para a inserção social e o empoderamento das mulheres (preferencialmente). Ao longo da história do programa, muitas se colocaram no mercado de trabalho. A própria Lojas Renner já efetivou a contratação de mais de 20 refugiadas participantes de edições em outras cidades nas empresas do grupo – Renner, Camicado e Youcom.

Para a diretora técnica do Instituto Aliança, Ilma Oliveira, que acompanhou os trabalhos do grupo desde as interlocuções iniciais até a certificação, os resultados da primeira turma do projeto foram muito bem sucedidos. “O Empoderando Refugiadas foi um novo aprendizado para nossa caminhada institucional. Uma nova oportunidade de contribuir com uma causa humanitária tão necessária, tão contemporânea, que é a causa dos deslocamentos humanos. Um destaque foi também a nossa metodologia, que, mais uma vez, impactou a vida dos integrantes de um jeito lindo, significativo e emocionante. Podemos perceber toda esta realidade por meio dos diversos depoimentos. Além disso, ter dado visibilidade a esta pauta, com outros parceiros, foi uma experiência coletiva de aprendizagem. Os expatriados nos ensinam muito sobre resistência, força, luta e, mais ainda, sobre amorosidade e alegria, mesmo em situação de extrema vulnerabilidade”, afrma.

Veja também

Página oficial do Projeto “Empoderando Refugiadas”

Site oficial do Instituto Aliança

 

 

 

 

Deixe um Comentário