Alunos do Colégio Santa Marcelina participam de encontro com migrantes venezuelanos

Home / Belo Horizonte / Alunos do Colégio Santa Marcelina participam de encontro com migrantes venezuelanos

No dia 29 de Junho, foi realizada em Belo Horizonte uma confraternização entre migrantes venezuelanos do programa “Acolhe, Minas”, do SJMR, e um grupo de alunos do 9º ano do ensino fundamental do Colégio Santa Marcelina.

O encontro fez parte de um projeto interdisciplinar do colégio chamado “Cidadania”, desenvolvido pelos alunos Ana Paula Ribas, Cecília Oliveira, Isabella Campos, Ivan Francisco, Luiz Eduardo, Maria Clara Santos e Thiago Gallo, sob orientação da professora de espanhol, Rejane Mathias, que busca, dentre outros objetivos, ampliar as ideias de como os alunos poderiam exercer as próprias cidadanias na sociedade.


O encontro permitiu a socialização entre os migrantes venezuelanos acolhidos pelo SJMR Belo Horizonte e alunos do Colégio Santa Marcelina.

De acordo com os estudantes, a iniciativa pretende ampliar a noção de problemas sociais o aumento de seus sensos de coletividade. “Precisamos reconhecer que todas as pessoas são cidadãs, independentemente de sua etnia, nacionalidade, idade, sexo, formação ou origem e, portanto, devem ter os mesmos direitos e merecem ser tratados de maneira igualitária”, afirma o grupo.

Dentro deste processo, os estudantes também acreditam que é necessário saber reconhecer o conceito de cidadão como indivíduo. “Enquanto membro de um Estado, ele também usufrui de direitos civis e políticos que lhe são garantidos e desempenha os deveres que, nesta condição, lhe são atribuídos”, explicam.


“Acreditam que é necessário saber reconhecer o conceito de cidadão como indivíduo que, enquanto membro de um Estado, também usufrui de direitos civis e políticos que lhe são garantidos e desempenha os deveres que, nesta condição, lhe são atribuídos”

Segundo os estudantes, a escolha de fazer o projeto com migrantes venezuelanos que estão no Brasil veio da necessidade de incluí-los na sociedade brasileira, para que, assim, possam reconstruir uma vida no país. “Foi proposta uma confraternização, para que pudéssemos interagir com eles, procurando conhecer mais a respeito de sua cultura, ouvindo algumas histórias sobre suas vidas, suas necessidades e dificuldades, para compreender seu processo de adaptação no Brasil.
As conversas foram muito produtivas, inclusive com as crianças ali presentes.”, relatam.

Para o grupo, a experiência acrescentou muito conhecimento à vida dos participantes e proporcionou resultados muito positivos. “Agradecemos muito pelo apoio e disponibilidade e esperamos dar continuidade ao projeto! O tempo passado junto com os migrantes foi muito proveitoso e permitiu um intercâmbio cultural muito válido”, afirmam.

Deixe um Comentário