Padre Mieczyslaw Smyda toma posse como novo Provincial dos Jesuítas no Brasil

Home / Brasil / Padre Mieczyslaw Smyda toma posse como novo Provincial dos Jesuítas no Brasil

No dia 30 de janeiro, o padre Arturo Sosa, Superior Geral da Companhia de Jesus, comunicou ao padre João Renato Eidt, então provincial do Brasil, a decisão de confiar ao padre Mieczyslaw Smyda a missão de conduzir a Província dos Jesuítas do Brasil (BRA) nos próximos anos.

Confira a entrevista ao informativo Em Companhia, onde o jesuíta conta que as experiências adquiridas até aqui permitiram que ele aprendesse muitas coisas e que se sente fortalecido para essa nova missão. Diante do atual cenário, Pe. Smyda manterá, nesse primeiro momento, o staff de Governo, para se inteirar mais e não romper bons processos que foram iniciados na gestão anterior e estão caminhando bem. O objetivo é que as mudanças que se julgarem necessárias aconteçam a partir do segundo semestre de 2020. Empossado oficialmente no dia 25 de março, em cerimônia realizada na Capela da Cúria Provincial, no Rio de Janeiro (RJ), Pe. Smyda ainda fez referências sobre os principais desafios da sua nova missão, assim como as expectativas, entre outros assuntos. Leia a entrevista a seguir:

Pode-se dizer que os cargos anteriores (Provincial e Delegado para a Saúde e Bem-Estar e Superior), de certa forma, lhe prepararam para essa nova missão?

Essas experiências me fortalecem, e eu estou percebendo isso, mas agora vem um desafio maior e mais complexo. Ao ser designado para a função de Delegado para Saúde, após trabalhar com a juventude e nos colégios, aprendi a valorizar o trabalho e ser mais paciente, aprendi que juntos podemos chegar mais longe. É isso que quero para o futuro: juntar todos os jesuítas, poder contar com leigos, gente de boa vontade e, principalmente, nos inserir na missão evangelizadora da Igreja, como parte dela, para servir a Cristo que nos convida e nos envia a realizar no Brasil.

Quais os principais desafios?

Estou assumindo a função de Provincial em uma posição privilegiada, porque a Companhia de Jesus Universal definiu as Preferências Apostólicas que devem nos orientar. Apesar de, nós, como Província do Brasil, já trabalharmos o plano apostólico na mesma direção, recebemos um horizonte universal e mais claro. Não foi uma simples coincidência, mas providência divina para trabalharmos de outra forma essas preferências. Temos que ler, rezar, refletir e ponderar para podermos transformá- -las em ações concretas. Mostrar e ensinar o caminho para Deus, não ter vergonha de testemunhar Jesus Cristo e sua proposta de vida para o mundo. É nosso desafio e nosso olhar, com base naquilo que o Papa Francisco nos ensina, fazer com que a humanidade não se perca, principalmente, os jovens. Juntos encontraremos o caminho para mais vida e mais felicidade.

Olhando para o Brasil, como podemos inserir os leigos nesse trabalho?

Pela experiência que tive, acredito que os leigos são fundamentais para sermos Igreja, porque a primeira missão que recebemos é pelo batismo e há muitos leigos comprometidos com a sua fé, acreditam na palavra de Deus. Até aqueles que não acreditam têm confiança nos valores e na vida. E, com esses, dá para trabalhar com toda disposição. Nosso desafio é oferecer-lhes formação, aquilo que eles não conseguem aprender no dia a dia e nas universidades. Se quisermos ser Companhia de Jesus, temos que zelar por nossa identidade e espiritualidade. Não somente com exercícios, mas com base nas experiências já existentes.

Quais as expectativas em relação a sua nova missão?

Somos, antes de tudo, jesuítas. Assumimos uma missão universal da Companhia de Jesus. Espero que possamos juntos focar nossos esforços naquilo que as últimas Congregações Gerais e o Padre Geral nos apresentam: as Preferências Apostólicas Universais. Elas nos abrem horizontes espetaculares, principalmente, a primeira, que nos orienta a mostrar o caminho para Deus. Junto com meus companheiros, quero fazer aquilo que Deus nos pede e que Santo Inácio de Loyola nos ensinou. A expectativa é de que consigamos formar líderes e animar os outros, nos tornarmos lideranças no país, como a Companhia sempre foi, a fim de provocar novos processos de renovação e de reconciliação no Brasil, que é tão belo, tão rico, mas também tem tanta pobreza e tanta divisão.

Conheça um pouco da trajetória de Pe. Smyda

O padre Mieczyslaw Smyda nasceu na cidade de Piwniczna, Polônia, em 1 de setembro de 1957. Ainda muito jovem, com 16 anos, atendeu ao chamado de Deus para a vocação sacerdotal e ingressou, em 31 de agosto de 1973, na Companhia de Jesus. Em seu país de origem, fez o noviciado em Stara Wies e a formação filosófica e teológica como jesuíta na Cracóvia e Varsóvia. Aos 27 anos, foi ordenado padre em Nowy Sacz, diocese de Tarnów, também na Polônia. Em 1984, veio para o Brasil. Em 1992, realizou a última etapa da formação jesuíta, conhecida como Terceira Provação em Salamanca, noroeste da Espanha. Em 21 de junho de 1993, fez seus últimos votos e assim foi, definitivamente, acolhido no corpo apostólico da Companhia de Jesus.

Sua relação com o Brasil começou em 1984, quando veio para o país a convite do então Provincial do Brasil, Pe. João Augusto Anchieta Amazonas Mac Dowell. “Sempre tive paixão pela América Latina, principalmente, pelos povos indígenas. Desde a minha adolescência, buscava ler sobre esses povos, culturas e civilizações passadas das Américas. No entanto, foi quando entrei no Noviciado que essa paixão se potencializou ainda mais. Sempre sonhava que era possível, um dia, estar nessas terras [América Latina]. No final do segundo ano do curso de Teologia, inesperadamente, recebi uma carta do padre Mac Dowell, entregue pelo Provincial da Polônia, me convidando para vir ao Brasil. Engraçado que o Provincial me perguntou: você ainda tem interesse pela América Latina? Eu respondi que sim e, então, ele disse que tinha uma carta, para mim, do Provincial do Brasil. Eu sonhava com toda a América, menos com o Brasil, pelo fato de o idioma ser o português e por não se ouvir falar tanto das culturas indígenas. No entanto, o Provincial, como bom psicólogo, me convenceu. Recebi a licença para vir, pelo menos, conhecer. Aqui, me atualizei um pouco como padre recém-ordenado, estudei um semestre de espiritualidade e recebi tutoria sobre história do Brasil. Depois de fazer algumas matérias, fui trabalhar como prefeito na Igreja e no Colégio Santo Inácio, no Rio de Janeiro, como ministro da casa. Foi, assim, que começou a minha vida aqui no Brasil”, contou Pe. Smyda. Em 2008, ele naturalizou-se brasileiro e passou a pertencer à Província BRC (Brasil Centro- -Leste), da qual chegou a ser Provincial também. Em novembro de 2014, foi criada a atual Província do Brasil, que é união das antigas províncias e região.

Além da formação própria da Companhia, bacharelado em Filosofia e Teologia, o novo Provincial fez mestrado em Liturgia pela Faculdade Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo (SP), e pós-graduação em Administração de Colégios, no Chile.

Deixe um Comentário