SJMR Porto Alegre lança Cartilha em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes

Home / Brasil / SJMR Porto Alegre lança Cartilha em alusão ao Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes

Para dar visibilidade ao tema do abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, o SJMR Porto Alegre (RS), com o apoio do ACNUR e da PADF, lança cartilha informativa sobre a temática da violência contra crianças e adolescentes.

No dia 18 de maio, em 1973, uma menina de oito anos de idade, chamada Araceli, foi sequestrada, drogada, violentada sexualmente e assassinada, em Vitória (ES). No ano de 1991, os três réus acusados de matar a menina foram absolvidos e o crime permanece impune até hoje. Destaca-se que Araceli era filha de migrantes, sendo seu pai espanhol e a sua mãe boliviana.

A partir da mobilização de entidades, foi proposta a criação do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual e Comercial de Crianças e Adolescentes. A data sugerida foi 18 de maio, dia do assassinato de Araceli, que em 2000 tornou-se oficial em todo o território brasileiro, reconhecida por meio da Lei Federal 9.970/2000.

O material foi elaborado pela Equipe de Proteção, com base nas produções do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, do ECPAT Brasil e da Campanha Faça Bonito.

“A construção dessa cartilha é resultado de um trabalho coletivo, a partir do reconhecimento da relevância dessa temática para o desenvolvimento de ações e atividades que visam a proteção integral a crianças e adolescentes migrantes e refugiadas. Infelizmente é um fenômeno muito presente no cotidiano de muitas crianças e adolescentes, mas com essas ações de informação e envolvimento é possível ampliar a prevenção e combate do abuso e exploração sexual. O SJMR Brasil em Porto Alegre oferta espaço protegido de acolhimento e orientação, buscando a socialização das informações referente aos mecanismos de denúncia e da rede de proteção.” Afirma Anderson Fagundes, analista social de proteção

Clique a seguir, para baixar a cartilha:

Deixe um Comentário